8 de jan de 2012

A Papisa Joana: Parte II – A Verdade

Voltamos,

Começamos esse segundo e último post sobre a Lenda da Papisa Joana citando literalmente o Professor Lockwood:
“A moral do século XXI sobre a lenda da Papisa Joana é clara: a Igreja teme mulheres poderosas, a Igreja tem propositadamente posto fora de forma literária qualquer menção a mulheres poderosas de sua história, e a tradição persistente do celibato sacerdotal resultou do ódio às mulheres.”
O fato do celibato ser uma norma estabelecida séculos antes da existência dessa lenda parece não ter a mínima importância para os produtores do documentário da rede ABC NEWS (citado no post anterior). Cadê a isenção? O lance é ser o mais anticatólico possível e falar mal da Igreja? Parece-me que sim.

John Peter-Pham nos diz que do século XIII ao século XVII a existência da papisa era aceita como fato histórico. Foi um dominicano que, por volta de 1250, deu as linhas gerais da lenda. Seu nome era Jean de Mailly. Aqui, Joana é colocada como sucessora do Papa Vitor III. Um outro dominicano e um franciscano embarcaram nessa, mudando a data do Pontificado de Joana, e Martin Troppan inclui seu nome na “Crônica de Papas e Imperadores”. O nome adotado por Joana seria “João Ânglico”. Junte-se um detalhe aqui e ali e… Habemus lorota.

pegadinha_do_malandro_papisa 

Até o poeta humanista Boccaccio se intrometeu nessa história. No século XIV, Boccaccio usou a história de Joana para atacar a Igreja. O bobalhão João Huss, um dos precursores mais perniciosos de Lutero, utilizou-se também dessa conversa fiada.

David Blondel, protestante, foi quem botou água no chopp da turminha da Sola Scriptura. O holandês era um estudioso sério e um historiador de verdade. Resultado: foi perseguido, humilhado e vilipendiado pelos seus pares. Um outro “historiador”, Pierre Bayle, diz:
“O interesse protestante requer que a história de Joana seja verdadeira”.
Os artigos que estamos postando sobre os papas, em si, são a refutação mais óbvias da lenda da Papisa Joana. Não há lacunas das fontes em nenhum dos períodos em que a turma tentou encaixar Joana. Seu Papado seria entre 855 e 857, logo após Leão IV. Probleminha: Bento III foi eleito logo em seguida a morte de Leão. E essa eleição é especialmente bem documentada em virtude de um fato inusitado que a transformou numa barafunda: o Imperador Bizantino era menor de idade (Miguel III, que ficou mais tarde conhecido com a alcunha de “O Alcóolatra”); Bento III é um caso raro de aclamação em que o povo faz do indivíduo Papa “na marra”: ele foi arrancado de suas orações e levado pelo povo ao trono de São Pedro. A confusão adveio do fato de partidários do Imperador colocarem no trono um anti-papa chamado Anastácio. Bento foi o Papa justamente nesse período de tempo atribuído a Joana. Cadê o tempo hábil pra papisa “papisar”?

Ademais, passaram-se 400 anos até alguém mencionar a dita Joana, lembram-se? O que foi? Amnésia coletiva? Um papado de três anos em que nada aconteceu? E Bento III? Como podem ver, foi tudo uma empulhação.
Lockwood diz que duas questões permanecem: onde surgiu a lenda e porque ainda hoje ela nos azucrina. Há 4 hipóteses:
  1. A fonte mais remota seria um conto popular romano;
  2. O Papa João VIII, que seria a “inspiração” para a fábula de Joana e foi o primeiro Papa vítima de conspiração palaciana no Vaticano, seria afeminado. Realmente, as imagens do papa que nos chegam são meio… assim… Bom, afeminado não é sinônimo de gay;
  3. Era uma forma de desmoralizar o Papa Sérgio, antecessor de Leão IV, que, dizem, muito antes de Alexandre VI, fazia coisas que deixariam o Papa Bórgia corado de vergonha, pois era um devasso de primeira linha;
  4. Uma “vingancinha” do Imperador Miguel III, o cachaça… quer dizer, alcoólatra.
Pra encerrar e pensar. Vocês não acharam que o paganismo entregou os pontos fácil não é? Vemos na origem do mito traços da cultura pagã, um mito vestal, tão querido pelos humanistas.

A lenda de Joana é degradante e sobreviveu porque se adapta a ordem do dia de humilhar os católicos.

Fiquem com Deus e perseverem na fé.

Por Paulo Ricardo em 15/09/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário