27 de fev de 2012

Pensamento (60)

"Quando a gente é jovem os pensamentos se tornam amor, com a idade o amor se torna pensamentos."
Albert Einstein

24 de fev de 2012

Os Papas do Séc. VIII – Tem Turco Saindo Pelo Ladrão


Um dos momentos da história em que mais podemos sentir a presença de Cristo e o valor de sua promessa no que diz respeito à Igreja é o Século VIII.  Uma pena essa época tão fascinante ser tão pouco conhecida em nossa República da Banânia.  É também o século em que a Espanha visigótica sucumbiu e, não fosse o esforço do Prefeito do Paço, Carlos Martel, hoje nós ocidentais comeríamos mais kibe e tahine do que o Habib’s seria capaz de fornecer.

Sarraceno
Os cristãos penaram na mão dos mouros no séc. VIII. Não era brinquedo, não!
Vamos conhecer então os pontífices dessa época:
JOÃO VI – Eleito e sagrado no mesmo dia.  E o bicho pegava: no Oriente e na Espanha os sarracenos passavam os infiéis(ou seja, os cristãos) no fio da espada.  Alá, meu bom Alá!
O reino lombardo, quebrado ao meio, tinha o Duque de Benevento, Gisolfo I (nominho feio!), atacando os territórios da Igreja.  João VI gastou uma fortuna em resgates para salvar o povo da fúria dos lombardos do sul.  E mais ao sul rolava um cheiro de kafta no ar.
Por conta de seus esforços, João VI teve o povo ao seu lado quando o Imperador Tibério III quis colocá-lo no xilindró.  Papa de 701 a 705.
JOÃO VII - João VII aquietou um pouco os lombardos.
papa_JohnVII
Papa João VII
Devoto da Santa Virgem, ergueu várias igrejas em seu nome. Era um esteta, patrono das artes e construtor, restaurou muitas igrejas que estevam em frangalhos (acho que isso ficou meio óbvio, tamanho o número invasões que a Itália sofreu.  Pior que isso só mesmo invasão da torcida do Curíntia).
Gostava muito de mosaicos e afrescos, e ainda existe um com sua imagem na cripta de São Pedro.  Está sepultado na capela da Santíssima Virgem anexa á Basílica de São Pedro.  Papa de 705 a 707.
SISÍNIO – Tinha 69 anos e estava muito doente quanto foi eleito.  Um dos pontificados mais curtos da história, durou apenas 3 semanas.  Foi consagrado em 15 de Janeiro de 708.  Sofria de gota e não usava mais as mãos.  Sua única medida foi reforçar os muros de Roma.
CONSTANTINO - Tinha uma tarefa em mente: estabelecer a reconciliação definitiva com o Oriente.  Fez uma viagem de um ano a Constantinopla e foi recebido com entusiasmo pelo Imperador, a quem concedeu a absolvição e a Santa Comunhão.  É um antepassado de João Paulo II nesses termos, porque ia aonde o povo estava mesmo.  Visitou 62 comunidades (já imaginou se o Papa Constantino tivesse um lierjet?).
E parecia que tudo ficaria bem com o Imperador.  Mas como o que é bom dura pouco, duas semanas depois que voltou a Roma o Imperador Justiniano II, o nariz cortado, foi assassinado e substituído por Filípico Bardanes – um monotelista fanático.  E tome guerra civil!  O Imperador fez uma profissão de fé e exigiu que Constatino a assinasse. O Papa, lógico, recusa-se.  Depois disso, o exarca de Ravena tentou fazer o Papa assinar a força.  Só que o povo estava do lado do pontífice, e uma carnificina iníciou-se.  A paz retotnou somente quando Anastácio II depôs Filípico e aceitou a ortodoxia.  Constantino foi Papa de 708 a 715.
papa_GregoryII
SÃO GREGÓRIO II - Depois de sete papas de origem síria, grega ou trácia (romênia), um romano é novamente eleito papa.  São Gregório é um Papa importantíssimo e até que pouco estudado.  A partir dele os papas passam a revindicar mais poder temporal.

Muitos historiadores o consideram o pontífice de maior destaque do século VIII.  Persuadiu os lombardos a desenvolver importantes áreas dos territórios papais, o que viriam a ser os estados pontifícios futuramente.  Levantou o povo de toda Itália contra os abusos da cobrança de imposto por parte do Imperador Leão III para sustentar suas guerrinhas na fronteira oriental.  Salvou Roma, sozinha, de um cerco armado pelo exarca imperial e pelo Rei dos Lombardos.
Macho pacas, São Gregório II!  Advertido pelo Imperador por meter o nariz onde não era chamado na visão daquele, teve novamente o povo consigo: de saco cheio dos impropérios do Imperador, pra bandas do Norte da Península Itálica iniciaram-se os levantes.  São Gregório II olhou com carinho as tribos de feios, sujos e malvados germânicos ao norte, esquecidos e temidos como trombadinhas da Candelária por todo mundo que se dizia civilizado.
Este foi o primeiro Papa a se deparar e a combater o iconoclastismo, que condenava as imagens de santos (mais uma heresia gente, umas das preferidas de Lutero).
Entre outras obras, reconstruiu os muros de Roma, iniciou reparos para prevenir as enchentes do Rio Tibre, restaurou Igrejas, reconstruiu mosteiros e os repovoou além de introduzir a missa de quinta-feira na quaresma.  Ufa! Esse Santo trabalhador foi Papa de 715 a 731.
SÃO GREGÓRIO III - Outro São Gregório, gente!  Como seu antecessor, chegou ao trono nos braços do povão. Foi talvez o papa que mais lutou contra o iconoclastismo.  Isso significa um Imperador chato enchendo os pacovás, já que o iconoclastismo tornou-se norma imperial.
Iconoclasta
Ilustração antiga: iconoclasta destruindo uma imagem de Cristo.
Vejam que coisa legal: já no século VIII tava excomungado qualquer um que chutasse imagem de santa ou santo… E não é que o Papa excomungou o Imperador e o Patriarca de novo? Essa gente pensava o quê?  Só pra reforçar o que já tinha dito em outro post, para vocês leitores entenderem melhor: a Igreja Ortodoxa não vive sem um saco para puxar desde o seu nascimento, inclusive porque ela nasceu de uma puxada de saco!
E lá vem os gregos de Constantinopla tirar satisfações, e tome confusão com o exarca de Ravenna. Sem contar que o Imperador passou a mão num monte de propriedades da Igreja. Sozinho e desesperado, o Papa apelou para Carlos Martel, avô de Carlos Magno, e não conseguiu ajuda nenhuma.  Mesmo com isso tudo, São Gregório não rompeu totalmente com os malucos do Oriente, pois tinha os lombardos ali doidinhos para fazer outro festival de gargantas cortadas na Cidade Santa. Era uma vida que nós não temos ideia do quão dura.  Papa de 731 a 741.
SÃO ZACARIAS - Foi o último papa grego e o último a comunicar a Constantinopla sua eleição.  Foi também um grande diplomata, pois conseguiu junto aos lombardos uma trégua de oito anos.
São Zacarias apoiou São Bonifácio da Germânia na sua missão de evangelização.  Descobriu que mercadores venezianos faziam cristãos de escravos para vendê-los aos mouros e gastou uma grana preta pra comprá-los de volta. Atentem a isso: mouros negros fazendo escravos brancos; o instituto da escravidão não era nem nunca foi privilégio de brancos.
Papa de 741 a 752.
ESTÊVÃO II – Deve-se a ele um movimento fundamental da política e da diplomacia de toda história da Igreja.  Depois de tantas guerras e invasões, o Império do Oriente andava mal das pernas.  Coube ao Papa Estêvão II a guinada no leme.
Mas antes, vejamos um pouco da história pessoa desse Papa.  Estêvão era um dos doze filhos de um trabalhador de olaria, que fez das tripas coração para dar à sua prole uma chance que ele mesmo nuca teve: colocou a molecada para estudar.  Estêvão foi parar na escola patriarcal de Latrão e lá completou seus estudos.
Vigoroso e astuto, chegou ao trono de Pedro em uma situação bastante perigosa. Astolfo, Rei dos Lombardos, conquistou Ravena e botou o exarca e todos os bizantinos pra correr.  Próximo passo?  Roma.  Estêvão cobrou do Imperador medidas retaliantes, e o xexelento, que mal se aguentava em pé, meteu o rabinho entre as pernas e saiu fora.  Olha lá quem vem chegando para barbarizar a Cidade Santa… LOMBARDOS DE NOVO! Assim não pode, assim não dá.
doacao_de_pepino_ao_papa_estevao
O Papa Estêvão II recebendo a doação territórios feita pelo Rei dos francos, Pepino
De posse dos tratados que São Zacarias havia assinado com os lombardos, vestido como um mendigo e coberto de cinzas, Estêvão II liderou uma procissão às portas de uma Roma sitiada.  O Rei Astolfo não se comoveu e ainda ameaçou o Papa . Este, sem recursos, apelou a Pepino, O Breve (um nome e um título realmente comprometedores; prefiro o original franco-germânico, Pepan), rei dos francos.
Pepino apoiou a causa do Papa prontamente e desceu os Alpes metendo a foice em quem via pela frente.  Chutou Astolfo de Ravenna e de outras cidades bizantinas italianas e, através do tratado que assinou em Quierzy, doou-as ao Papa Estêvão II.
Assim foram criados os Estados Pontifícios, cuja proteção não era mais dos bizantinos, mas sim do Reino Franco.  Por isso é que se diz que a França é a jóia da coroa Católica.
SÃO PAULO I – Um caso raro, São Paulo I era irmão de Estêvão II.  Na nova realidade da Igreja, temos agora os papas lutando para manter o controle dos Estados Papais.  São Paulo I foi o primeiro a ter que negociar com os vizinhos para consolidar seu poder temporal e proteger a população.  Primeiramente, foi preciso negociar com o novo rei dos Lombardos, Desidério, para evitar a guerra.
Estamos também com uma nova realidade geopolítica em que o Império Bizantino foi retirado.  É ao Rei Franco que São Paulo comunica sua eleição.  Em resposta, Pepino solitou ao Papa que fosse padrinho de sua filha Gisela, irmã de Carlos Magno.
São Paulo I foi muito caridoso e dedicou-se aos menores dentre seu rebanho, sem nunca fazer alarde;  não fosse a indiscrição de algum de seus colaboradores mais próximos, jamais saberíamos das muitas obras que esse grande homem realizou.  Pagava dívidas, distribuia comida e roupa pelas casas.  Morreu em paz depois de um pontificado de dez anos.  Papa de 757 a 767.
ESTÊVÃO III - A mesquinharia e a cobiça humana marcaram os primeiros tempos do papado de Estevão III. Roma agora é um estado de terras aráveis, cobiçadas tanto por lombardos (que não largam do pé) quanto por árabes e bizantinos.  Não é importante apenas por ser a capital espiritual do mundo, mas também porque agora possui importância temporal.
A cobiça descarada da soldadesca levou-a a aclamar um Papa fajuto e leigo chamado Constantino, que foi empossado na marra na Basílica de Latrão.  Num arremedo de cerimônia, foi ordenado diácono e sub-diácono por três bispos na Basílica de São Pedro, em julho de 767.  Seu irmão, uma espécie de “chefe da boca”, era sua garantia e seu defensor, pois controlava os soldados de Roma.  Só que o bandidão foi assassinado e o pilantrinha teve que fugir.
Pensou que acabou?  Nada.  Olha só que vem chegando…  Lombardos.  Resolveram que, em vez de bater de frente com o reino franco peitando o Papa, fariam eles mesmos o papa; resolveram colocar no Vaticano um tal de Filipe, um capelão do mosteiro local.  Havia um notário chamado Cristóvão que tornou-se “eminência parda” do papado de Estevão III.  Tendo em vista essa bagunça, determinou-se que ,dali em diante, só cardeias poderiam ser Papas, banindo os leigos definitivamente.
Os dois antipapas foram presos e despojados de suas ensígnias.  Estevão III foi eleito graças às articulações de Cristóvão, que passou a ser seu principal conselheiro.  Após sua eleição, Estevão III comunicou-a ao Rei franco Pepan III.  Tendo em vista que seu papado foi basicamente uma série de equívocos administrativos, em virtude principalmente da atuação de Cristóvão, não temos muito mais a acrescentar a respeito de Estêvão III.  Papa de 768 a 772.
Papa Adriano I
Papa Adriano I
ADRIANO I - Foi um papa corajoso e peitudo.  Os lombardos e os bizantinos, desde o começo de seu pontificado, estavam fazendo pressão por todos os lados.  A principal questão diz respeito à sucessão do reino franco.  Desidério, rei dos lombardos, estava doidinho para que o Papa confirmasse a sucessão de Carlomano, irmão de Carlos Magno, como sendo do filho do primeiro. Afinal, uma criança seria muito mais fácil de derrotar do que um homem feito, ainda mais que o homem feito em questão era nada mais nada menos do que Carlos Magno.
Tentando manter o seu fora do alcance da seringa, Desidério contratou uma cambada qualquer para atacar Roma.  Só que o Papa sabia muito bem quem estava por trás dos ataques e apelou pro Carlitcho.  Este foi para Roma na Páscoa de 774, perguntou “Qui qui tá pegando?”, renovou a doação dos Estados Pontifícios e chutou Desidério e suas pretensões por cima dos muros de Roma. Melhor ainda: demarcou as fronteiras. Roma começava a fica bem na fita.
O Papa Adriano reconstruiu Igrejas, reforçou (de novo) os muros da cidade, reconstruiu (de novo!) as barragens do Rio Tibre e reestabeleceu quatro aquedutos.  Fora isso, dedicou-se aos pobres e à administração das fazendas que estevam sobre a suserania do Vaticano. Promoveu várias ações sociais e favoreceu o desenvolvimento do monaquismo.
Curiosidade: Adriano I procurou defender a Igreja de todas as formas, mas vejamos essa “gentil” oferta feita por Carlos Magno.  Ao viajar pela Itália, o Grande Rei percebeu a grande depravação do clero – prostituição, tráfico de escravos, cafetinagem, jogatina etc. – daí perguntou ao Papa se não podia passar umas espadas nas goelas do clero corrupto… Apenas como aviso que aquilo ali não era “The Mother Joan’s House“.  Adriano ficou nervoso e falou para o grandalhão (Carlos Magno tinha quase dois metros de altura) que aquilo era mentira.  Como o Rei sabia que na sua França natal não dava para por a mão no fogo pela rapaziada, deixou o assunto morrer.
Voltando a questões doutrinais.  Foi durante o pontificado de Adriano I que realizou-se o Concílio de Nicéia II, que a princípio seria em Constantinopla, e onde se discutiu a questão do iconoclastismo.  Resultado: devia-se repor as imagens nos templos, mas não se devia prestar-lhes o culto que só a Deus é devido. Às imagens pode-se prestar veneração e respeito… Elas são apenas figuras que nos lembram pessoas santas.  Dãããããããã!!!!!!!!!!!. E se algum crente te echer o saco com essa história, saiba como responder clicando aqui.
Um fato pouco mencionado do papado de AdrianoI foi a vinda a Roma de Offa, rei da Mércia, um cara cheio de pecados que, em troca da absolvição deles, prometeu ao Papa que mandaria uma grana para Roma todos os anos.  A Mércia é um pedaço da Inglaterra e essa tradição permaneceu depois da unificação, sendo rompida somente nos tempos de John Wicliffe.  Wicliffe para quem não sabe, é um dos antepassados nefastos de Lutero e Calvino, um mal ambulante do qual falaremos no momento certo.
Para terminar, durante o papado de Adriano I surgiu uma das mais bizarras heresias da História – o “adocionismo” – que dizia ser Jesus filho adotivo de Deus. Adriano deve ter pensado; “eu mereço!”. Depois de um longo papado de 23 anos, partiu Adriano, um grande papa, amigo do Rei, literalmente, e um defensor verdadeiro de Jesus e da Igreja.  Papa de 772 a 795.
No próximo post, veremos o século IX – o auge do poder carolíngio.  Nosso primeiro papa é um dos mais interessantes: Leão III.
Por Paulo Ricardo em 18/01/2012
fonte: O Catequista

Pensamento (59)

"Quando um ama, tudo fala de amor, até nossos trabalhos que requerem nossa total atenção podem ser um testemunho de nosso amor."
Santa Margarida Maria

23 de fev de 2012

Pensamento (58)

"Quando te levantares, entra no Sagrado Coração de Jesus e consagre-lhe teu corpo, tua alma, teu coração e teu ser por completo, para somente viver por seu amor e glória."
Santa Margarida Maria

22 de fev de 2012

21 de fev de 2012

Pensamento (56)

"Quando rezamos o Rosário, falamos com Maria e lhe confiamos nossas preocupações e esperanças."
João Paulo II

20 de fev de 2012

Logo Oficial da JMJ 2013 expressa a fé e a acolhida do povo brasileiro aos jovens do mundo




RIO DE JANEIRO, 08 Fev. 12 / 01:16 pm (ACI)

Na noite desta terça-feira, 7 de fevereiro, os jovens que esperavam a divulgação do resultado do concurso para a logo oficial da JMJ 2013 puderam conhecer a logo vencedora, lançada em um evento que reuniu mais de cem bispos vindos do Brasil e do exterior e que representou um passo simbólico no processo de preparação da Jornada que já vem sendo realizada com entusiasmo pelos jovens e voluntários do Rio de Janeiro.

Presentes no lançamento estevieram o presidente do Comitê Organizador Local (COL) da JMJ, o arcebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta, junto dos vice-presidentes do organismo Dom Paulo Cezar Costa e Dom Antonio Dias Duarte, e os responsáveis pelos setores que compõem o Comitê. Entre outras autoridades eclesiais compareceram o Cardeal Raymundo Damasceno Assis, presidente da Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil e Arcebispo de Aparecida e o Secretário para a Congregação dos Bispos em Roma, Dom Lorenzo Baldisseri, que foi núncio no Brasil durante dez anos.

Pensamento (55)

"Quando o homem se separa de Deus, não é Deus quem o persegue, mas sim os ídolos."
Joseph Ratzinger

18 de fev de 2012

Papa incentiva a renovação da Igreja para combater o abuso sexual

 
 
Vaticano, 07 Fev. 12 / 10:13 am (ACI/EWTN Noticias)


Vaticano, 06 fev.12/ 13:41 (CNA / EWTN News) -. Papa Bento XVI enviou uma mensagem aos bispos e superiores religiosos que se reúnem de 6 a 9 de Fevereiro em Roma , em um simpósio que visa aumentar e aprofundar o compromisso da Igreja Católica na luta contra o abuso sexual de crianças na atenção e apoio às vítimas.

Hipocrisia do nosso tempo: a enfermeira de Goiás e os anencéfalos do Brasil

 
Reprodução

Tenho acompanhado a gritaria contra a enfermeira de Goiás, que espancou cruelmente um cachorro até a morte. O vídeo da ação dessa jovem é realmente chocante. Movimentos de defesa dos animais exigem que ela seja punida exemplarmente, alguns exagerados desejam a morte para a enfermeira. Argumentam: se um cachorro matar uma pessoa, o cão é sacrificado; ora, uma pessoa matou um cachorro. Qual seria a pena nesse caso? Obviamente, é uma provocação, mas indica já o estado de espírito dos que viram a violência e a desproporção da ação da enfermeira contra um pequeno cachorro. Causa maior comoção ainda ver o pequeno cão, acoado, tremendo, quase prevendo o que está para acontecer. O que leva alguém a fazer violência até a morte para um outro, cuja defesa é impossível? Talvez essa seja a razão pela qual o vídeo cause tanta comoção, tanta revolta, induzindo a pergunta: quem vai nos proteger, se violência desse calibre não é punida?

17 de fev de 2012

Os Papas do Séc. VII – O Lombo Exposto aos Lombardos

O século VII foi muito estranho.  Estranho porque depois de São Gregório temos um Sabiniano no trono de São Pedro.  Estranho porque os Lombardos tornaram a vida das pessoas na Itália tão insuportável que já tinha cristão doido por uma catacumba ou para voltar para os tempos de São Calixto.  Mas vamos deixar que os papas contem a história desse tempo.
 
papa_sabinianoSabiniano - É impossível achar qualquer adjetivo elogioso para Sabiniano.  Foi um fracasso como sucessor do magnífico São Gregório.  E como se isso não bastasse, era um covarde de primeira.  Ao ver os incêndios e o caos espalhado pela cidade santa, em vez de se juntar e apascentar o rebanho do Cristo, se escondeu dentro da Sé e ordenou que as luzes das igrejas sempre deveriam ficar acessas.

Sabiniano cortou as refeições que o Papa Gregório servia aos pobres.  Pior, em vez de dar, passou a cobrar, ou seja, transformou a Casa de Deus numa espécie de restaurante do Garotinho (aquele governador do Rio que fazia restaurantes em que a refeição era R$1,00). Resultado, seu cortejo fúnebre teve que ser desviado de Roma para fora da cidade sob a possibilidade de que o povo não fosse muito “simpático” a este senhor.

Felizmente, foi papa pouco tempo, de 604 a 606.  Foi tão detestado que seu corpo foi sepultado em segredo na Basílica de São Pedro.

Bonifácio III – Só foi eleito um ano após a morte de Sabiniano.  Ao contrário de seu antecessor, fez coisas importantes para a Igreja.  A principal delas foi a proibição, passível de excomunhão, de qualquer discussão a respeito da sucessão do Papa.  Essa norma se mantém até hoje. Nos tempos de Bonifácio III eram três dias para a eleição do novo Papa, hoje são nove.  Cassou a pretensão de João IV (patriarca oriental que queria controlar a Igreja) e conseguiu junto ao Imperador Focas que somente o Bispo de Roma poderia ser chamado de ecumênico. Papa de 19 de fevereiro a 12 de novembro de 607.

São Bonifácio IV - Demorou também a ocupar o seu lugar depois de eleito, um pouco menos que seu antecessor, dez meses.  Curiosidade: São Bonifácio IV é o criador do Halloween (que não era a festa pagã que vemos hoje, óbvio).  Explicando: ele converteu o Panteão de Roma (templo devotado aos deuses gregos) em igreja dedicada à Maria e a todos os santos, para salvá-lo da destruição.  Em homenagem a isso, instituiu o dia de todos os santos como sendo 1º de novembro.

Panteao_roma
Panteão de Roma: monumento preservado graças a Bonifácio IV

Bonifácio IV foi um dos mais diletos alunos de São Gregório Magno e, como este, era um monge beneditino.  Converteu sua casa em mosteiro e protegeu o monaquismo.  Durante o sínodo que promoveu em 610 brotaram as sementes plantadas por Santo Agostinho da Cantuária e São Gregório, com a presença dos primeiros bispos de Londres que foram a Roma para aprender a regularização da vida monástica. Dedicou-se aos pobres assim como o seu mestre.  Papa de 608 a 615.

São Deodato (Adeodato I) – Pouco se registrou dessa época.  Sabe-se que São Deodato reduziu as prebendas, um benefício pecuniário ao qual os monges faziam jus desde São Gregório. Instituiu o selo papal no intuito de evitar as falsificações e a quebra de sigilo das cartas episcopais.  Depois de São Gregório, foi o primeiro Papa a ordenar sacerdotes.  Em seu leito de morte, legou a seus sacerdotes um ano de salário – foi o primeiro papa a fazê-lo.  Papa de 615 a 618.
  
boniface_v_pope
Bonifácio V – Eleito pela facção clerical diocesana, demorou um ano para ter sua confirmação aceita pelo Imperador.  Durante seu papado, a Itália estava sendo assolada pela disputa pelo trono, e o exarca – título instituído pelo Imperador do Oriente e que significa que o nomeado era o seu representante – estava lutando em várias frentes.  Foi Bonifácio V que instituiu a imunidade de asilo nas Igrejas, o que na prática as transformou em embaixadas.  De certa forma, foi o Papa Bonifácio V que inventou a instituição jurídica do Asilo Político.

No combate à simonia (venda de coisas sagradas, como promessas de bens espirituais, relíquias ou bênçãos), decretou que somente os padres poderiam fazer a transferência de relíquias de santos.  Demonstrou interesse pela Inglaterra e entregou o pálio a Justo quando esse se tornou Arcebispo de Canterbury, em 624.

Roma foi assolada pela peste e pela fome e Bonifácio V cuidou dos doentes e dos leprosos com carinho e dedicação. Sua fortuna pessoal foi distribuída aos pobres e aos seus sacerdotes deixou um legado generoso.  Papa de 619 a 625.

Honório I – Foi um Papa ocupado com certeza.  Durante seu pontificado, temos duras disputas teológicas contra os monotelistas – heresia que afirmava que Jesus teria apenas uma vontade,  a divina, negando que nEle existisse a vontade humana.  Honório ficou em cima do muro.  Não os aprovou, mas também não os condenou.  Sérgio I, patriarca de Constantinopla, propôs uma fórmula a Honório em que a segunda pessoa da Trindade deveria ser o verbo de Deus, sujeito de toda operação humana e divina.

Honório I destacou-se no apoio dado à jovem Igreja da Inglaterra, que começava a botar a cabeça para fora da lama na qual havia se metido, entregando o pálio aos jovens arcebispos de Canterbury e de York.  O Rei Edwin da Nortúmbria – parte da Inglaterra – recebeu as congratulações do Papa na ocasião do seu batismo.  Homório reforçou a educação do clero fundando escolas, já que muitos padres eram ignorantes.  Quando a coisa ficou feia e sequer haviam pessoas aptas para exercer determinadas funções temporais, coube ao Papa assumir a frente destas. Papa de 625 a 638.

papa_severinoSeverino – Não, ele não era porteiro, nem sanfoneiro de banda de forró universitário. Depois da morte de Honório, foi eleito Papa Severino, que condenou a fórmula monotelista e caiu em desgraça diante do Imperador Eráclio, que a apoiava e por vingança e só aceitou sua eleição pouco menos de dois meses antes de sua morte.  Severino deve ter morrido de desgosto.

Para completar, Eráclio mandou saquear as igrejas de Roma, passando por cima das determinações do Papa Bonifácio V e reduzindo a antiga capital a um 9,8 na escala Haiti de miséria.  Severino foi papa de 28 de maio a 2 de agosto de 640.

João IV - João, assim como Severino condenou os monotelistas e, como seu antecessor, ficou com o Imperador furioso fungando no seu cangote.  Como Dioclesiano João IV era croata, uma pequena justiça poética. Enquanto seu famoso conterrâneo Imperador gastou os tubos para prender e arrebentar João também torrou uma grana preta, mas para libertar seus compatriotas e levar auxílio espiritual a combalida Croácia assolada pelos invasores eslavos.  Papa  de 640 a 642.

Teodoro I - Botou de vez as cartas na mesa. Mandou o monotelismo às favas e desistiu de ser educado com os hereges.  O monotelismo era sustentado por um decreto imperial chamado Ectese, sobre o qual o Papa escreve ao Imperador Cosntantino II questionando o porquê daquela porcaria ainda estar em vigor; aproveitou a vênia exigindo que o patriarca, Paulo II,  abjurasse o malfadado decreto.

Teodoro era grego e nascido em Jerusalém e adicionou o título de soberano ao de pontífice às designações do Bispo de Roma.  Durante seu pontificado condenou dois patriarcas, além do já mencionado Paulo II, Piro I. Com tanta intriga palaciana girando ao seu redor, não é de se estranhar que se suspeite ainda hoje que o Papa tenha sido envenenado.  Papa de 642 a 649.

papa_sao_martinho_ISão Martinho I – São Martinho resolveu chutar o balde.  Foi o primeiro papa a ser consagrado sem esperar a aprovação do Imperador, o que deixou Constantino II bem zangadinho.  Para enterrar de vez os monotelistas, convocou um concílio e excomungou Paulo de Tessalônica, bispo da palestina, centro espiritual do monotelismo.

As consequências para São Martinho desencadeadas por Constantino II foram severas.  Em metade de seu papado, ou ele estava exilado ou em cana.  Constantino nunca o considerou Papa e assim nunca o julgou como tal, apenas como um diácono rebelde.  Prenderam o Papa numa pocilga, em condições terríveis.  Querendo se livrar dele o mais rápido possível, Constantino II o enviou à Criméia (um lugar longe pra $#%#%#alho) numa cidade chamada Quersoneso.  Procurando no mapa, jogaram o Papa para a Ucrânia! São Martinho encerra a série dos Papas mártires, foi sepultado ali mesmo na terra que viria a ser ocupada pelos vikings. Papa de 649 a 654.

São Eugênio I - Nessa era de confusões malucas, São Eugênio foi o responsável pelo reinicio de um processo de paz com o Império do Oriente.  Não se tinha notícias do Papa Martinho e a Sé resolveu levar ao trono vago São Eugênio I.  Não foi uma tramóia, ao que tudo indica, mas sim um desejo de não se manter refém da vontade do Imperador.  Crê-se com isso que durante um curto período haveriam dois papas legítimos no mundo, muito embora um ainda tivesse seu paradeiro desconhecido e não se sabia o que Constantino andara fazendo com ele.

Ninguém pode dizer que São Eugênio não tentou.  Mandou uma comitiva a Constantinopla para fazer as pazes.  Propôs até uma fórmula conciliatória para os monotelistas.  O clero ocidental claro que não aceitou e Eugênio voltou atrás, o que deixou o Imperador zangadinho de novo.  Ele tentou botar as mãos no Papa, mas duas coisas o impediram.  A derrota para os árabes em 655 e a morte de São Eugênio em 657.  Papa de 654 a 657.

vitalian_popeSão Vitalino - Terminou o processo iniciado por São Eugênio e foi conciliatório no que diz respeito aos monotelistas.  Foi um período de relativa paz.  Foi também o papa que introduziu o órgão nas Igrejas, sua grande realização, entretanto, foi a conversão dos Lombardos ao catolicismo.

Os Lombardos eram originalmente uma tribo germânica (eram parte do povo conhecido como suevos) de origem escandinava que fora acomodada na Panônia por Justiniano em meados de 546.  Teodorico, vulgo o chato, foi seu líder mais famoso.  E tradicionalmente os Lombardos eram arianos, vem daí a confusão e os saques permanentes a Roma nos século VI e VII.  Foi só a partir de sua conversão à verdadeira fé que Itália e Roma puderam desfrutar de alguma paz. Papa de 657 a 672.

Adeodato II - Assim como São Gregório, era monge beneditino, e como monge beneditino viveu mesmo quando eleito papa.  Tinha 52 quando foi eleito, o que para alta Idade Média é alguém muito idoso.  É marcante no seu pontificado o início das pertubações vindas do lado dos árabes.  Pertubações essas que vocês vêem na TV diariamente até os dias de hoje.
A rapaziada de Maomé estava em plena Jihad, lascando a mamona em cima de quem não quisesse se ajoelhar para Meca ou não achasse o máximo ser escravo de um sultão; isso é islamismo.  Adeodato teve que aturar a galera de turbante invadindo o sul da Itália e escravizando metade da população.  No campo social, dedicou-se aos pobres e a caridade.  Papa de 672 a 676.

Dono - Roma vivia por esta época com a sombra de uma separação chamada Cisma de Ravena.  Ravena pra quem não sabe foi a última capital do Império Romano do Ocidente e sede do Governo do Imperador quando a Itália foi reduzida a colônia do Oriente.

Ocorre que havia muitos que queriam transferir a Capital espiritual de Roma para Ravena. Foi Dono, com a intervenção de Constantino IV, Imperador do Oriente que acabou com essa brincadeira.  Sob o pontificado de Dono, Cambridge foi fundada – por católicos, claro. Só pra variar: malditos cristãos!

Uma peculiaridade de seu papado foi a descoberta de um ninho de hereges nestorianos em um mosteiro em Roma.  Dono os baniu e substituiu os hereges por monges ortodoxos.  Papa de 676 a 678.

sao_agataoSão Agatão – Foi durante seu pontificado que enfim o Império Bizantino retirou o seu apoio ao monotelismo.  São Agatão também era monge e foi o criador do juramento papal, que até os dias de hoje é prestado por todos os papas quando recebem o báculo.

Dos Papas santificados, é um dos poucos casos que é venerado tanto por católicos como por ortodoxos.  Mandou, ao Concílio Ecumênico de Constantinopla, 680 representantes do Ocidente, mas faleceu antes de poder assinar as atas das resoluções daquele Concílio.  Muito amado pelo povo e dedicado à causa dos mais humildes, recebeu os títulos de taumaturgo (médico) e maravilhoso trabalhador.  A ele são atribuídos inúmeros milagres tanto durante quanto após sua vida. Papa de 678 a 681.

São Leão II – Terminou o trabalho de São Agatão e aprovou os atos do Terceiro Concílio de Constantinopla.  Através destes, o monotelismo foi definitivamente banido, em consequência, o Papa Honório I foi anatematizado (excomungado). Foi São Leão que introduziu o uso da água-benta nos ritos litúrgicos.  Um édito do Imperador estabeleceu em definitivo a subordinação da Igreja de Ravena a Sé Romana.  Papa de 682 a 683.

São Bento II – Bento II terminou o que lá atrás São Martinho começara.  Mas desta vez ele conseguiu por um erro fortuito e por diplomacia.  Acontece que por conta da preguiça e da má vontade do exarca de Ravena para com Sua Santidade, Bento II levou quase um ano para ser formalmente consagrado Papa.  Por conta disso e das suas boas relações com o Imperador, o Papa conseguiu que a partir de seu sucessor o Papa não precisasse mais nem da sanção Papal nem da aprovação do exarca. O papado dava seus primeiros passos na direção do que hoje chamamos Estado do Vaticano.  Fora isso, grande parte de sua energia foi gasta na restauração das Igrejas de Roma.  Papa de 684 a 685.

João V – Foi o primeiro Papa consagrado sem a tutela da legitimação imperial.  Seu papado foi curto.  João, Sírio nascido na Antióquia, era um homem enfermiço.  Era um bom coração decerto, mas muito pouco pode fazer em virtude de sua debilidade.  Foi severo com a insubordinação suspendendo bispos que ordenavam bispos sem o conhecimento da Santa Sé.  Foi generoso com os mosteiros caridosos de Roma e com seus sacristãos. Papa de 684 a 685.

Cônon – Trapalhão é o melhor adjetivo para definir Cônon.  Era já idoso quando foi eleito Papa e sua eleição é uma pagina obscura.  Não era firme, nem decidido nas suas ações.  Tanto é, que a anarquia reinou durante seu papado.  Não era um canalha como Vigílio, era apenas fraco e atrapalhado.  Ajudou vários mosteiros entre outras obras de caridade.  Papa de 686 a 687.

São Sérgio I – Por conta das bobagens e da falta de pulso de Cônon, Sérgio I recebeu um papado em frangalhos, com a sombra de dois antipapas rondando.  Resistiu aos esforços do Imperador ao retorno do status quo anterior em que era este que homologava a eleição do Papa.  Entre as várias brigas que puxou com o Imperador, destaque pela defesa do celibado que Justiniano II queria abolir.  Introduziu o agnus dei na missa e nas procissões. Por fim, foi o responsável pela transferência dos restos mortais de Leão I de seu modesto túmulo para um pomposo na Basílica de São Pedro.  Papa de 867 a 701.

No próximo encontro: Os Papas do Século VIII – Carlos Magno está chegando, como não tinha meias limpas, mandou trazer doze pares de França( Ô piada velha!).

Por Paulo Ricardo em 02/12/2011

10 de fev de 2012

Os Papas do Séc. VI – Levanta, Sacode a Poeira e Dá a Volta Por Cima

Continuando com a história dos Papas, o Império Romano do Ocidente não existe mais.  As estruturas de poder por todo o mundo ocidental estão mudando.  Com as pessoas morrendo de medo e bárbaros pipocando por todos os lados, aos vilões (vilão é quem nasce em vila) só restava grudar nos senhores das fortificações e rezar, rezar muito.

A partir do século VI, coube à Igreja preservar a memória do mundo helênico e iniciar a construção de um novo mundo: esse em que nós ocidentais vivemos, e que sempre que podemos cuspimos nele e em suas tradições.

Ei-los então:


Simaco_papaSão Símaco – Viveu com sombra do cisma sobre si.  Nascido na Sardenha, foi eleito logo após a morte de Anastácio II.  Incomodou-se com o disse-me-disse da sucessão que se deu ainda com Anastácio II vivo, e proibiu qualquer mexerico sobre quem seria o sucessor durante a vida do Pontífice.  Por outro lado, permitiu que o próprio Papa pudesse indicar seu sucessor (o que não quer dizer que seria acatado).

Teodorico, O Rei dos Ostrogodos, comandava o que restou da Itália.  Era um tremendo encrenqueiro e adorava meter o bedelho onde não era chamado.  Convocou São Símaco para se explicar com ele em Ravenna, a respeito de uma acusação de celebrar a Páscoa segundo a tradição romana.  No caminho, foi alertado de que estava caindo numa armadilha e que o antipapa Lourenço estava armando pelas suas costas:  Teodorico, engraçado que só, mandou um administrador visitante para ocupar o lugar do Papa enquanto este estivesse em Ravenna, e este acabou por aderir à causa do antipapa.  Um nó górdio não acham?

9 de fev de 2012

Terra quadrada – a mentira que desce redondo


terra_quadrada 

Era o século XVIII. Alguns iluministas vadios estavam reunidos em uma taberna, bebendo e falando asneiras. Entre uma piada infame e outra, de repente, um gaiato solta essa: “Aí, quer saber? Os padres são tão estúpidos que, na Idade Média, pregavam que a terra era plana!”. Explosão de risos… Pronto! Nascia aí uma das mais famosas calúnias anticatólicas.

A cena acima fica por conta da minha imaginação. Mas não deve ter sido nada muito diferente disso. O fato é que a historinha vil sobre a negação da esfericidade da Terra foi inventada por intelectuais iluministas, que (a exemplo de Voltaire) estavam sempre prontos a ridicularizar a Igreja.

Saca a lenda da cenoura do Mário Gomes? Então… foi mais ou menos assim que aconteceu. O boato da crença católica na Terra plana foi tão bem espalhado que, com o tempo, se tornou “verdade”. Foi ganhando informalmente as ruas, virou conto, depois peça de teatro… E a corja viu que o embuste tava fazendo tanto sucesso, que valia muito a pena divulgá-lo por meios mais “sérios”, como livros, jornais e universidades. Mas acho que nem esses canalhas poderiam imaginar o tanto que o mito duraria, e nem o tamanho do estrago que ele faria no Corpo da Igreja.

8 de fev de 2012

Castidade: Yes, we can!

Yes, Povo Católicooooooo! We can!!!!

Imagine que você acabou de ganhar uma FERRARI novinha em folha.  Agora, responda rápido: você entraria com ela em uma estrada de terra cheia de atoleiros? Você entregaria ela para um estranho dirigir e se divertir um pouco? Você deixaria as pessoas sentarem-se no capô e mexer no que quisessem?  Utilizaria nela produtos de má qualidade que sabidamente danificariam a pintura ou o motor?

Ferrari Fail

Se você respondeu NÃO para todas as perguntas, você é uma pessoa que sabe dar valor aos seus bens.

7 de fev de 2012

Pensamento (54)

"Caras longas..., maneiras bruscas..., cara ridícula..., ar antipático: Assim espera animar a outros a seguir a Cristo?."
São Jose Maria Escrivá de Balaguer

O sofrimento não é criação divina

Deus, que é Amor, fonte e origem de toda a bondade, beleza e perfeição, criou-nos à Sua imageme semelhança. Fomos criados por amor e para a felicidade. Como pois compreender a origem do sofrimento, a que Jó se refere tão dramaticamente na primeira Leitura da Missa de hoje, e que a todos atinge?
 
Deus, na Sua bondade, quis criar-nos livres e como tais, conscientes.
 
Os nossos primeiros pais envaidecidos com os dotes maravilhosos que possuíam, não souberam usar a liberdade que Deus, tão generosamente lhes tinha concedido. Obcecados pelo orgulho, duvidaram da Bondade e do Amor do Criador. Por momentos acreditaram mais no demônio, pai da mentira. Esta opção voluntária, afastou-os de Deus e, consequentemente, da verdadeira felicidade. Longe dessa fonte bendita, quantas lágrimas se derramaram, quanto sangue fratricida se verteu, quantas guerras, quanto sofrimento, quanto atraso social aconteceu, ao longo dos séculos!
 
Não há dúvida. O sofrimento foi e continua a ser causado, pelos passos errados, percorridos voluntária, orgulhosa e cegamente pelos homens. Só o homem é verdadeiramente causador de tanta desgraça.

6 de fev de 2012

Pensamento (53)

"Cada vez compreendo mais o nada de tudo o que não é Deus e sinto a imperiosa necessidade de amá-lo e esquecer de mim por completo para que só Ele viva em mim."
Santa Maravilhas de Jesus

3 de fev de 2012

Pensamento (52)

"Busca a perfeição inclusive nas coisas pequenas."
São José Marello

Os Papas do Século V – E o Império caiu….

E então meus amigos,

Vivemos então os últimos momentos do cesaropapismo*… Mas não foi com a queda dos césares ocidentais que as coisas entraram no rumo.  Bem, isso tudo estará mais a frente.  Vamos continuar a história dos Santos Padres, começando o século V, temos:

São Anastácio I – São Jerônimo (o autor da Vulgata, em linhas gerais a Bíblia que usamos hoje) é a principal fonte sobre a vida desse Papa.  Houve querelas entre Jerônimo e São Sirício (ver post anterior), e são Anastácio foi muito bem visto pelo Santo Pensador como um Papa mais indulgente, principalmente no que tange a prática asceta.

São Anastácio se faz presente em nossos atos dentro da Igreja até os dias de hoje e até fora dela, uma vez que foi ele que instituiu o sinal da cruz e a obrigação de se ficar em pé durante a Missa.  Foi Papa de novembro de 399 a dezembro de 401; pouco depois de sua morte os Godos começaram a baixar a mamona no Império.  Outros fatos marcantes de seu curto papado foram a condenação de Orígenes e a execração dos donatistas africanos com quem debate-se Santo Agostinho.  Está sepultado no cemitério de São Ponciano.

2 de fev de 2012

A importância da posição de joelhos

A Eucaristia: o dom recebido
 
É de fundamental relevância o momento da recepção do sacramento eucarístico. Este exige do fiel comungante uma atitude receptiva, pois a Eucaristia foi, é e será o dom recebido. É o dom, e não apenas um dom. A Eucaristia encerra todos os dons, pois condensa sacramentalmente a presença real de Nosso Senhor, isto é, o próprio autor de todo dom, de toda graça. A Eucaristia é sempre recebida, oferecida, transmitida e isso acontece ao Pai, pelo Filho, no Espírito Santo.

Pensamento (51)

"Basta amar ao Santo dos Santos (Jesus), para chegar a ser Santos."
Santa Margarida Maria Alacoque

1 de fev de 2012

Giges de Paetês

Em A República, livro famoso da literatura filosófica universal, pode ser lida a estória do mito de Giges. Trata-se da lenda de um pastor que inadvertidamente descobre um anel com virtudes extraordinárias: ao usá-lo de um modo, o artefato torna quem o usa invisível; de outro, o seu proprietário volta ser visto por todos normalmente. Essa estória conta Platão para seus discípulos, com o intuito de provocar-lhes uma questão: se um homem tivesse a virtude da invisibilidade e, com isso, tivesse a certeza que seus crimes jamais seriam punidos, ele se comportaria como ordenam as leis da ética? O controverso fim da estória sustenta que a certeza da impunidade geralmente gera bestas, não homens. Essa questão, porém, pode ser vista de outro modo: se o homem fosse capaz de produzir artefatos ou intermédios que tornassem pessoas comuns, pessoas submetidas às leis gerais, imunes a elas ou até superior a todas, isto seria lícito ou bom para os homens? Pois bem, o Anel de Giges não existe, pois é um mito com um sentido pedagógico. Contudo, o que Platão só imaginou fazer com um anel, os gays brasileiros estão conseguindo usando batom e blush.

Pensamento (50)

"Assim, purificados interiormente, iluminados e acesos pelo ardor do Espírito Santo, possamos seguir as pegadas de seu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo."
São Francisco de Assis