27 de out de 2011

Música pode abrir horizontes para meditar sobre a vida eterna, afirma o Papa


Vaticano, 24 Out. 11 / 05:51 pm (ACI)

A Orquestra da Ópera do Estado da Baviera (Alemanha) mais conhecido como a Bayerische Staatsoper, e o coro juvenil Audi Jugend Chor Akademie, ofereceram um concerto para o Papa Bento XVI sob a baqueta do Professor Kent Nagano e do Professor Audi Jugendchorakademie respectivamente.

No dia 22 de outubro, desde a Sala Paulo VI do Vaticano e com a interpretação da soprano Eri Nakamura, o contralto Okka von der Damerau, e do baixo Steven Humes, a Bayerische Staatsoper interpretou para o Bento XVI a Sinfonia n.9 em Ré Menor e o Te Deum de Anton Bruckner.

Em seu discurso aos artistas, o Pontífice recordou que Anton Bruckner teve uma "fé simples, sólida e genuína, conservada por toda a vida até o ponto de querer ser sepultado no Igreja da Abadia de Sanit Floriam, na cripta, sob o potente órgão que tantas vezes tocou".

"Brukner pedia ao bom Deus poder entrar em seu mistério, poder subir às suas alturas, poder adorar no céu o Senhor como tinha feito na terra com sua música", explicou o Santo Padre.

Para Bento XVI, a música de Bruckner é um "apelo também a nós para abrir os horizontes e pensar na vida eterna, não para fugir do presente, embora tenhamos problemas e dificuldades, mas na verdade para vivê-lo ainda mais intensamente, levando a realidade em que vivemos um pouco de luz, de esperança e de amor", concluiu.

Josef Anton Bruckner

Josef Anton Bruckner foi um compositor e organista de música religiosa nascido na Áustria de finais do século XIX, de cuja obra coral sacra destaca-se numerosos concertos para Missa, o Te Deum, o Salmo 150 e mais de 30 composições polifônicas em forma de motete.

Fonte:  ACI Digital

Nenhum comentário:

Postar um comentário