19 de ago de 2011

O Papa aos professores no Escorial: a universidade não deve ser desvirtuada por ideologias nem servilismos

MADRI, 19 Ago. 11 / 11:54 am (ACI/EWTN Noticias)

O
Papa Bento XVI se encontrou este meio-dia (hora local) com jovens docentes universitários aos quais disse que o ideal de busca da verdade da Universidade não deve desvirtuar-se nem por ideologias fechadas ao diálogo racional nem por servilismos de uma lógica utilitarista de simples mercado.

Em seu discurso na Basílica San Lorenzo del Escorial aos professores universitários peregrinos da Jornada Mundial da Juventude Madrid 2011 e alguns participantes do Congresso Mundial de Universidades Católicas realizado recentemente em Ávila (Espanha), o Papa recordou suas épocas de professor universitário na cidade alemã de Bonn.

Depois de descrever a experiência que viveu na pós-guerra, o Papa disse que os jovens enfrentam uma maneira de pensar que considera que "a missão dum professor universitário seja hoje, exclusivamente, a de formar profissionais competentes e eficientes que satisfaçam as exigências laborais de cada período concreto". 

"Como se sabe, quando a mera utilidade e o pragmatismo imediato se erigem como critério principal, os danos podem ser dramáticos: desde os abusos duma ciência que não reconhece limites para além de si mesma, até ao totalitarismo político que se reanima facilmente quando é eliminada toda a referência superior ao mero cálculo de poder".

“Ao invés, a genuína ideia de universidade é que nos preserva precisamente desta visão reducionista e distorcida do humano. Com efeito, a universidade foi, e deve continuar sendo, a casa onde se busca a verdade própria da pessoa humana”, afirmou.

"Por isso, não é uma casualidade que tenha sido precisamente a Igreja quem promoveu a instituição universitária; é que a fé cristã nos fala de Cristo como o Logos por Quem tudo foi feito e do ser humano criado à imagem e semelhança de Deus. Esta boa nova divisa uma racionalidade em toda a criação e contempla o homem como uma criatura que compartilha e pode chegar a reconhecer esta racionalidade".

"Deste modo, a universidade encarna um ideal que não deve ser desvirtuado por ideologias fechadas ao diálogo racional, nem por servilismos a um lógica utilitarista de simples mercado, que olha para o homem como mero consumidor".

Bento XVI disse logo aos professores universitários: "Aqui está a vossa importante e vital missão. Sois vós que tendes a honra e a responsabilidade de transmitir este ideal universitário: um ideal que recebestes dos vossos mais velhos, muitos deles humildes seguidores do Evangelho e que, como tais, se converteram em gigantes do espírito".

O Santo Padre afirmou então que "para fazê-lo, não basta ensiná-lo, é preciso vivê-lo, encarná-lo, à semelhança do Logos que também encarnou para colocar a sua morada entre nós. Neste sentido, os jovens precisam de mestres autênticos: pessoas abertas à verdade total nos diversos ramos do saber, capazes de escutar e viver dentro de si mesmos este diálogo interdisciplinar; pessoas convencidas sobretudo da capacidade humana de avançar a caminho da verdade”.

O Papa animou também a não perder a sensibilidade pela busca da verdade, exortando a seus alunos recordando que "o caminho para a verdade completa empenha o ser humano na sua integralidade: é um caminho da inteligência e do amor, da razão e da fé”.

"Não podemos avançar no conhecimento de algo, se não nos mover o amor; nem tampouco amar uma coisa em que não vemos racionalidade; porque «não aparece a inteligência e depois o amor: há o amor rico de inteligência e a inteligência cheia de amor». Se estão unidos a verdade e o bem, estão-no igualmente o conhecimento e o amor. Desta unidade deriva a coerência de vida e pensamento, a exemplaridade que se exige de todo o bom educador".

Em segundo lugar, prosseguiu o Pontífice, "terá que considerar que a verdade mesma sempre vai estar além de nosso alcance. Podemos procurá-la e nos aproximar dela, mas não podemos possui-la de tudo: mas bem, é ela a que nos possui e a que nos motiva. No exercício intelectual e docente, a humildade é deste modo uma virtude indispensável, que protege da vaidade que fecha o acesso à verdade".

"Não devemos atrair os estudantes para nós mesmos, mas encaminhá-los para essa verdade que todos procuramos. Nisto vos ajudará o Senhor, que vos propõe ser simples e eficazes como o sal, ou como a lâmpada que dá luz sem fazer ruído".

Deste modo, continuou o Papa Bento XVI, "Tudo isto nos convida a voltar incessantemente o olhar para Cristo, em cujo rosto resplandece a Verdade que nos ilumina; mas que é também o Caminho que leva à plenitude sem fim, fazendo-Se caminhante connosco e sustentando-nos com o seu amor".

"Radicados n’Ele, sereis bons guias dos nossos jovens. Com esta esperança, coloco-vos sob o amparo da Virgem Maria, Trono da Sabedoria, para que Ele vos faça colaboradores do seu Filho com uma vida repleta de sentido para vós mesmos, e fecunda de frutos, tanto de conhecimento como de fé, para vossos alunos", concluiu.

fonte: http://www.acidigital.com/noticia.php?id=22381

Nenhum comentário:

Postar um comentário